NEWSLETTER
Cadastre seu e-mail:

Divulgação - TV Brasil
 
MANCHETES

» 13/05/2018 - 22:28
"Mídia em Foco" destaca técnicas e mercado brasileiro de dublagem nesta segunda

As técnicas e o mercado de dublagem nacional são os temas em debate no programa “Mídia em Foco” desta segunda-feira (14/05), às 22h45 na TV Brasil. A expansão da TV por assinatura, a chegada do vídeo sob demanda e o aumento do consumo de animações e games aqueceram o mercado de dublagem no país nas últimas décadas. O serviço também é exigido por meios tradicionais como o cinema e a televisão aberta. Hoje, dezenas de estúdios, principalmente do Rio e São Paulo, disputam clientes.

O Mídia em Foco mostra que a procura por conteúdo dublado cresceu. Estudos indicam que a maioria dos brasileiros prefere a voz dos dubladores ao áudio original. Mas o número de profissionais no Brasil ainda é restrito para suprir essa demanda.

Para refletir sobre o segmento, o programa da emissora pública apresentado por Paula Abritta recebe três especialistas na área: o ator e jornalista Marco Antônio Abreu, o ator e produtor Herbert Richers Júnior e a diretora de dublagem Zodja Pereira.

Para o ator e produtor Herbert Richers Júnior, o dublador precisa assimilar a obra e o perfil do artista que está representado na série ou filme que se vai dublar. "Você tem que respeitar a criação que tá lá. Então, na verdade, o dublador é a marionete ao contrário. Você tem que se deixar vestir pelo ator que você tá dublando", comenta o filho caçula do lendário produtor e empresário que fundou um estúdio com seu nome em 1950.

O diferencial que os profissionais de dublagem precisam exercitar para fazer um bom trabalho é comentado pelo ator e jornalista Marco Antônio Abreu. "Um bom ator não necessariamente será um bom dublador. Agora pra ser um bom dublador necessariamente você tem que ser um bom ator. Não basta ter uma voz bonita, você tem que ter aquilo que o artista traz: a verdade. Aquela coisa que sai dali de dentro", observa.

A atriz, dubladora e diretora de dublagem Zodja Pereira critica a legendagem. "Filme não foi feito para ser lido, filme foi feito para ser assistido! Cada vez que eu baixo os olhos para ler uma legenda eu perco uma coisa importante do rosto do ator", afirma ao ressaltar a relevância de se acompanhar nuances das cenas e das expressões faciais dos personagens.

Os convidados comentam a liberdade de adaptação dos desenhos, séries e filmes. Em geral, as produções permitiam essas modificações na dublagem. "Se você for assistir uma das primeiras obras dubladas, o seriado I love Lucy, era tudo adaptado. Nova York virava Copacabana, os nomes também, mas isso se perdeu", conta Herbert Richers Júnior.

Sobre o assunto, Zodja Pereira comenta um exemplo nos desenhos animados. "A série Manda-Chuva no Brasil tinha um dos gatos que era nordestino. Hoje você já não tem tanta liberdade, não pode localizar e precisa fazer exatamente o que está no ar", destaca.

Marco Antônio Abreu resgata a série mexicana "Chaves" com uma série de exemplos seja relacionada aos espaços físicos ou mesmo aos conteúdos de conversas. "O Chaves tinha várias adaptações. Tem diálogos que tenho na memória até hoje e não esqueço. Eles falam de Pelé, do Guarujá e de ônibus que circulavam no Brasil", lembra.

HOME         MANCHETES        BLOG FABIOTV       CONTATO        PUBLICIDADE

2007 - 2018  fabiotv.com.br - Todos os direitos reservados.